Home
Edições Anteriores

 

 

 

Por: Odete Rosa
e-mail: odeterosa9@gmail.com

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DICAS & TRUQUES

Queda do cabelo feminino

Por Sonia Corazza

Reclamação antiga entre o público masculino na faixa dos 30 anos é cada vez mais comum ouvir queixas femininas em relação à queda excessiva dos cabelos. Geralmente essas mulheres se encontram extremamente ansiosas, usando qualquer produto anti-queda que lhes é oferecido, e a pergunta que as aflige é sempre a mesma:

“Eu corro o risco de ficar careca?”
Todo mundo sabe como o cabelo é importante na construção da nossa auto-imagem e da maneira de nos apresentarmos socialmente aos outros, por isso, entende-se a ansiedade, e muitas vezes o desespero de quem começa a apresentar queda de cabelos acima do normal.

O cabelo “normal”
É importante fazer algumas considerações sobre o cabelo normal, cada couro cabeludo possui em média 50 a 100 mil fios de cabelo. Desse total, uma queda de 50 a 100 fios por dia é considerada absolutamente normal, principalmente após escovação ou lavagem dos cabelos. É importante dizer que a lavagem freqüente não faz aumentar a queda de cabelos, ocorre apenas que a manipulação dos fios na lavagem facilita o destacamento daquele fio que já iria cair, devido à fase do ciclo de crescimento em que se encontrava.

Caindo mais do que devia...
Quando uma mulher se queixa de uma perda aguda e muito intensa de cabelos, que pode durar 2 a 3 meses, provavelmente o que ela está experimentando é uma perturbação do ciclo de vida dos cabelos, que se manifesta com a perda de grande quantidade de fios, de maneira difusa em todo o couro cabeludo. Possui como causas mais comuns o estresse emocional, mas não o estresse do dia-a-dia e sim um fato marcante, como um acidente, a morte de um ente querido, cirurgias e até o período pós-parto, onde o fator hormonal colabora para uma queda grande de cabelos. Outras causas comuns são doenças febris, geralmente infecções bacterianas; perdas de sangue, como as hemorragias, e até dietas drásticas aquele tipo de regime para perda de peso muito rápido. Outra causa bastante comum é a parada ou início do uso de pílulas anticoncepcionais ou qualquer outro método anticoncepcional hormonal. Problemas hormonais com a menopausa também tem influência.
Na maioria dos casos é doença auto-limitada e muito raramente irá levar à calvície ou perda grave de cabelos, tendendo a apresentar perdas leves a moderadas.

Voltando ao normal
O tratamento da queda aguda dos cabelos deve ser realizado sob orientação médica especializada, avaliando as causas do problema. Mas a explicação de como funciona o ciclo folicular é fundamental, pois um grande número de casos irá voltar ao normal dentro de algumas semanas. Dentro dessa premissa é importante salientar que o ciclo do cabelo é lento, pois ocorre um espaço de tempo entre a causa e o início da queda de aproximadamente 3 a 4 semanas, e o mesmo intervalo será necessário para a estabilização do quadro e um esboço de melhora.
Em alguns casos, a medicação de escolha do dermatologista é o sulfato de minoxidil a 5% para uso tópico, que possui resultados favoráveis em um pouco mais de 50% dos casos.
Outras drogas antiandrogênicas, como acetato de ciproterona, espironolactona ou flutamida também são usadas. Mas só o médico especialista pode diagnosticar e receitar essa medicação, portanto se você está em dúvida sobre a normalidade de queda dos seus cabelos, consulte um dermatologista. Quanto mais rapidamente você tiver o diagnóstico, melhor será o resultado do tratamento!
© Sonia Corazza –
Engenheira química e cosmetóloga Sonia Corazza, que tem 30 anos de experiência na área cosmética, de pesquisa e desenvolvimento de novos produtos e mercado.

Frase do dia:
“Milagre é o espantoso que se encontra com o inacreditável.”
Millôr Fernandes

 

COLUNA DO CRAQUE
Futebol de campo

Por: Luiz Carlos Flauzino (Tubarão)

 

 

Sábado passado tivemos o prosseguimento do Campeonato Amador da Liga Santarrozense de futebol quando o C.R. Cajuruense recebeu no estádio Dr. Guião a equipe do Primavera F.C., da nossa vizinha cidade Santa Rosa de Viterbo. A arbitragem ficou por conta de Daniel Menezes, auxiliado por Nei Flávio e Zezinho.
Durante a partida, os dois times brigaram por um resultado positivo que garantisse a liderança e nesta disputa a equipe cajuruense levou a melhor e venceu pelo placar de 4x0, assim sendo, o C.R. Cajuruense se sagrou campeão da chave, tendo ainda um jogo que acontecerá amanhã (4/8) contra o Juventus, só que desta vez lá em Santa Rosa. Em seguida começará a fase eliminatória, ou seja, a famosa mata mata.
Também na semana passada
No domingo passado (28/7), o C.R. Cajuruense recebeu no estádio Dr. Guião a equipe do Coqueiros F.C. na categoria sub-20.
Depois de uma brilhante partida, nossa equipe venceu pelo placar de 8x1 e anotaram os gols Iuri Tibiru 4, Brendo 3 e Leo 1.
Na preliminar o C.R.C. categoria sub-17 recebeu a equipe do Cidade Jardim que na ocasião levou a melhor vencendo por 4x1.
Neste domingo, (4/8), prossegue a série de amistosos da equipe cajuruense que desta vez receberá a partir das 15h45m a forte equipe amadora do Serrana F.C.
A preliminar iniciará às 13h45m quando o C.R. categoria sub-17 enfrentará a equipe da Cruz Alta.
Venham prestigiar este grande clássico regional entre Cajuru e Serrana que nas décadas 70 e 80 detinham a maior rivalidade da Alta Mogiana.
A realização e o apoio é da Prefeitura Municipal e Secretaria Municipal de Esportes.

Por: Marcos Sordi

Desrespeito à população

Há aproximadamente um mês, a SABESP, empresa responsável pela captação, tratamento e distribuição de água em Cajuru, está executando a instalação, ou a troca, não sei ao certo, da tubulação da rede hidráulica de diversas ruas da cidade.
Quem conhece um mínimo desse tipo de serviço público sabe que, de tempos em tempos, essas tubulações precisam ser mantidas e trocadas em decorrência de inevitáveis entupimentos, trincamentos e outros pequenos problemas que, se não sanados, transformam-se em problemas de enormes dimensões, prejudicando a população em geral. Até aí tudo bem, todos nós, moradores da cidade queremos que esse serviço público seja prestado da melhor forma possível, sem faltar água, sem desperdícios etc. e tal. Sabemos, também, que, da mesma forma que, para fazer um omelete há absoluta necessidade de se quebrar os ovos, para efetuar essa troca ou instalação de tubulação, é preciso abrir o solo, seja na via pública ou nas calçadas e, para isso, é preciso, também, o uso de máquinas e ferramentas adequadas, como perfuratrizes e britadeiras manuais, pequenas escavadeiras etc. Além dessas máquinas e ferramentas, junta-se aí um fator muito importante, que é a mão de obra, que deve ser suficientemente treinada para melhor operação dessas estrovengas, instalar a nova tubulação, emendá-las e soldá-las perfeitamente, de modo que não haja vazamentos, retornar a terra retirada e efetuar a recuperação do que foi danificado. Em resumo, esse é um trabalho que deve ser bem planejado para proporcionar o mínimo de inconvenientes para os motoristas dos veículos que transitam pelas ruas e que de uma hora para outra veem o trânsito interrompido, para os pedestres que transitam pelas calçadas e, principalmente, para os proprietários das calçadas defronte as casas.
Aí está o grande problema. A execução, pela empreiteira contratada, dos reparos do que foi danificado, seja na via pública ou nas calçadas, principalmente nessas, é de uma qualidade absolutamente medíocre. Pergunto aos dirigentes locais da SABESP e aos engenheiros que, presumo, devem acompanhar essa empreitada: os senhores já se preocuparam em dar uma olhada na porcaria dos serviços que estão sendo feitos, repito, principalmente nas calçadas? Os senhores, desculpem-me os leitores a aparente grosseria desse escriba, algum dia, tiraram os traseiros de suas poltronas e saíram de seus escritórios e foram verificar a qualidade do que está sendo feito pela empresa contratada? Se o fizeram, ou se o fazem, estão de acordo com o que estão fazendo? Acham que quebrar os ladrilhos, que custaram um bom dinheiro aos proprietários das casas, preocupados em apresentá-las de forma aprazível, e recuperar com uma camadinha sem vergonha de uma massa de cimento sem nenhuma qualidade, é recuperar os estragos que fizeram? Esses serviços foram executados nas calçadas de suas casas e os serviços de recuperação foram bem feitos? Ah! com certeza, na frente de suas casas, caso isso ocorresse, os serviços seriam executados com primor. Os senhores, com absoluta certeza, não permitiriam que os serviços que estão fazendo nas calçadas dos otários que pagam pela água mais cara do mundo fossem executados da mesma forma nas calçadas de suas casas.
Não bastassem a buraqueira das ruas da cidade, com o asfalto em quase todas elas deteriorando-se cada vez mais, as irregularidades absurdas das ruas com calçamento de paralelepípedos, principalmente ao redor do Largo São Bento, nosso cartão postal, que provocam desgastes dos veículos, agora vem a SABESP abrir mais buracos e remendá-los com serviços de péssima qualidade.
Até quando essas empresas públicas vão torrar a paciência dos pagadores de impostos e de seus caríssimos serviços prestados? Depois, quando se fala em privatizar essas porcarias, os políticos e os apaniguados saem às ruas para protestar, com mimimi de que querem entregar o estado, com as baboseiras tipo “o povo unido jamais será vencido” e outras mais.
Ah! sim, estou escrevendo isso em meu nome, pois sou um dos otários que viu a quebra da calçada de sua casa e só pode lamentar o péssimo serviço de recuperação executado.
Se algum dirigente da SABESP quiser ver in loco, passe na Rua Voluntário Silvano, abaixo da Lotérica e certifique-se do que estou dizendo. Duvido que o faça.