Home
Edições Anteriores

 

 

Por: Odete Rosa
e-mail: odeterosa9@gmail.com

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DICAS & TRUQUES

Conheça os principais problemas de visão entre idosos

Fonte: Portal Terra/Saúde

.Você sabia que entre os principais problemas relacionados à idade estão os problemas da visão? O olho é um órgão que envelhece e sofre alterações, por isso é muito importante a realização de exames periódicos. Você pode estar com algum problema na visão e não perceber.
Já de acordo com o médico oftalmologista do Hospital Oftalmológico de Brasília, Dr. Sergio Luiz Kniggendorf, todas as doenças diagnosticadas no início podem ser tratadas e impedir a perda da visão.
Portanto, com o passar da idade, uma visita periódica ao oftalmologista se faz imperativa. “Tal atitude possibilita uma possível identificação precoce de fatores de risco para doenças mais comuns de aparecimento tardio. Esta identificação viabiliza monitoramentos e tratamentos adequados que vão minimizar a chance de termos danos visuais lá na frente. Nesta faixa etária mais avançada, mais do que em qualquer outra, toda doença identificada e tratada precocemente tem um prognóstico final muito mais favorável”, avalia.
1 - Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)
É a causa número 1 de cegueira em idosos. Como o próprio nome diz, consiste na degeneração da mácula (estrutura localizada na parte posterior do olho, na retina, responsável pela visão central), A DMRI surge com sintomas de embaçamento visual e/ou distorção de formas, evoluindo com perda gradual e irreversível da acuidade visual. É mais comum em obesos, fumantes e de raça branca.
Que cuidados deve-se ter para evitar?
Deve-se optar por uma dieta saudável, rica em alimentos com alto teor de ômega-3, além dos vegetais de folhas verdes; não fumar ou parar de fumar; realizar exercícios físicos periodicamente; controlar o peso e a pressão arterial; proteger-se da radiação solar por meio de óculos escuros e/ou com proteção ultravioleta, de boa qualidade e aprovado pelo seu oftalmologista.
2 - Catarata
É a principal causa de cegueira reversível no mundo. Pode aparecer em qualquer idade, mas ocorre principalmente após os 50 anos. Nesta faixa de idade existe perda progressiva da transparência da lente natural do olho, o cristalino. O fenômeno ocorre mais comumente de maneira natural, pelo envelhecimento do organismo, porém pode ser acelerado por diversas doenças sistêmicas (como, por exemplo, o diabetes) e induzido pelo uso crônico de drogas (a exemplo dos anti-inflamatórios hormonais ou popularmente conhecidos como corticóides). O principal sintoma da catarata é o embaçamento visual, que evolui de maneira gradual até a completa perda da visão
Que cuidados deve-se ter para evitar?
Não existe nenhum método para evitar ou prevenir, porém as cirurgias são largamente realizadas com total sucesso. Deve-se, porém, atentar às causas secundárias de catarata como diabetes e o fumo, promovendo seu controle. Uma dieta saudável, rica em alimentos antioxidantes, pode ser um aliado importante para postergar o aparecimento da catarata. Outra medida preventiva é proteger-se da radiação solar por meio de óculos escuros e/ou com proteção ultravioleta de boa qualidade e aprovado pelo seu oftalmologista.
3 - Glaucoma
Doença genética que se manifesta principalmente na terceira idade. Há perda progressiva da visão periférica causada pelo aumento da pressão ocular. Pode levar à cegueira irreversível. O Glaucoma se caracteriza por um conjunto de fatores que leva à perda da visão pela destruição do nervo óptico. Esse fenômeno normalmente é associado ao aumento da pressão intraocular e pode ocorrer em apenas um ou ambos os olhos. É uma das principais causas de cegueira irreversível e se inicia com quadro de perda da visão periférica.
Que cuidados devem-se ter para evitar?
Por se tratar de uma doença insidiosa e irreversível, é indicado realizar a rotina oftalmológica completa em pacientes acima dos 45 anos que tenham histórico familiar. Todos os pacientes acima de 60 anos devem realizar, ao menos uma vez por ano, esta rotina. Um simples colírio pode impedir a evolução.
-Retinopatias (Diabética e Hipertensiva)
As retinopatias se caracterizam por alterações progressivas e tardias ocorridas na retina em virtude da complicação de duas importantes doenças: o diabetes e a hipertensão arterial. Geralmente, o acometimento ocular dessas doenças se dá nos vasos da retina, ocasionando deformidades em seu trajeto, extravasamento de líquido e até mesmo hemorragias. As retinopatias se instalam lentamente e por muitas vezes não há sintomas de início; posteriormente, embaçamento e diminuição da acuidade visual podem ser frequentes. Em casos de uma hemorragia, o paciente se queixa de perda da visão súbita no olho acometido.
Que cuidados deve-se ter para evitar?
Por se tratar de uma doença progressiva e relacionada ao agravamento de outras duas enfermidades maiores, torna-se imprescindível o controle severo da glicemia e da pressão arterial.
Em caso de dúvida, a única saída é procurar um especialista de sua preferência. É o que reforça o médico oftalmologista da Clínica Fares, de São Paulo (SP), Dr. Flávio Gaieta Holzchuh. “O médico oftalmologista é o único profissional capacitado para cuidar da saúde ocular da população em todos os aspectos. As doenças são detectadas apenas com a avaliação minuciosa de um especialista através de exames complementares e com auxílio de diversos equipamentos e instrumentos. Por tudo isso, uma visita rotineira ao oftalmologista é tão importante e pode evitar um dano irreversível à sua visão”, afirma.


Frase do dia:
“O maior erro que um homem pode cometer é sacrificar a sua saúde por qualquer outra vantagem.”
Arthur Schopenhauer


Álcool e direção Álcool e direção é uma mistura proibida. Se você se ariscar, mesmo que só com uma dose pequena, você pode causar um acidente envolvendo você, os passageiros do seu veículo e outros ao seu redor, E pior, esta mistura pode causar uma morte e a prisão do motorista.
A Lei federal nº 13.705, conhecida como Lei Seca, aumentou o rigor da fiscalização do álcool quando estiver dirigindo. Mesmo se você se recusar a fazer o teste do bafômetro, pode ser punido como se estivesse dirigindo sob influência de álcool.
Beber e dirigir está entre os cinco principais fatores de risco para a morte no trânsito. O álcool tem o efeito de um analgésico no nosso organismo, diminuindo a consciência, prejudicando a visão e levando à perda das reações corretas na direção.
Isto porque mesmo uma pequena dose de álcool já prejudica o julgamento e aumenta o tempo de reação, isto é, você vai demorar mais para reagir como pisar no freio ou desviar na direção.
O fato de dirigir sob efeito do álcool é tão grave, que no Japão, as penalidades de multas e prisão se estendem para os passageiros do veículo conduzido por um motorista sob efeito do álcool. Significa além de não poder dirigir, é proibido ir como passageiro de um motorista embriagado.
Mais recentemente, a Lei 12.760, ficou conhecida como a nova Lei Seca, tornou as punições ainda mais rígidas, com isso, dirigir sob a influência de álcool (qualquer concentração) ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência é considerada uma Infração gravíssima, tem como penalidade a suspensão do direito de dirigir por 12 (doze) meses e a retenção do veículo. E se você recusar soprar o bafômetro, a infração poderá ser caracterizada mediante imagem, vídeo, constatação de sinais que indiquem, alteração da capacidade psicomotora.
Portanto lembramos: álcool e direção é uma mistura proibida.