Home
Artigos
Giro Noturno
Contato
Edições Anteriores
 

Prefeito foi detido acusado por porte ilegal de armas

Da redação
Logo pela manhã de terça-feira (19/03), após denúncia feita no ano passado, a Polícia Civil deflagrou uma operação a respeito de uma foto postada nas redes sociais mostrando o filho do prefeito portando uma arma de fogo no bolso e seu filho (neto do prefeito) segurando uma espingarda de forte calibre e cano curto.
Na residência do prefeito os policiais encontraram duas armas sem registro e diante deste fato, João Ruggeri foi autuado em flagrante por porte ilegal de arma de fogo e em seguida conduzido para a Seccional de Polícia em Ribeirão Preto e, em seguida, foi solto, após pagar fiança de mil reais.
A Justiça expediu mandados de busca e apreensão para a casa do prefeito João Ruggeri, localizada na zona rural do município, após investigações do setor de inteligência da polícia.
A operação teve o apoio da DIG-Delegacia de Investigações Gerais de Ribeirão Preto e os policiais cumpriram as ordens e aprenderam as duas armas encontradas na residência, um revólver calibre 28 e uma espingarda calibre 38 que estava em um cofre.
A prisão do prefeito João Ruggeri dominou as redes sociais e foi destaque nos noticiários de rádio e TV da região durante todo o dia e noite.
Estivemos com o prefeito João Ruggeri que nos recebeu em seu gabinete. Muito chateado pelo ocorrido, o prefeito nos disse inicialmente que a publicação da foto feita pelo filho, foi uma atitude impensada e de mau gosto, que jamais deveria ter ocorrido.
Quanto às armas que foram apreendidas em sua residência, o prefeito disse que são relíquias de família, afinal, a espingarda pertenceu ao seu pai Salvador Ré que também era conhecido pelo apelido de “Nino” que faleceu em 1966. De acordo com Ruggeri, quando seu pai adquiriu a espingarda, eles residiam na fazenda Corredeira. E quanto ao revólver, ele pertenceu ao seu avô e ex-prefeito Nenê Ruggeri, neste caso, de acordo com o prefeito, faz tanto tempo que o revolver não é utilizado que o tambor já está emperrado e não roda.
João Ruggeri nos disse que irá aguardar o resultado do trabalho dos peritos e em seguida buscará na Justiça o direito de recuperar as duas armas que estão na família há várias décadas.