Home
Edições Anteriores

 

 

 

Por: Odete Rosa
e-mail: odeterosa9@gmail.com

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DICAS & TRUQUES

Desidratação ocorre muito rápido e é frequente na terceira idade

Fonte: Dra. Ana Paula Nana Pereira Martingo Delbaje, médica geriatra

“Quando minha mãe passou mal, eu tive certeza que era algo muito grave e que deveria correr para o hospital. Nunca a tinha visto daquele jeito, não falava coisa com coisa, e depois desfaleceu. Aquele dia foi um grande susto, mas a surpresa maior foi descobrir que tudo isso aconteceu por falta de água.” Esse depoimento, de uma filha que preferiu não se identificar, retrata um acontecimento que é mais comum do que muita gente imagina: a facilidade das pessoas acima dos 60 anos de se desidratarem.
Com o passar do tempo, em cada fase da vida, o índice de água no organismo vai diminuindo, até que chega a 50% na terceira idade, fazendo com que a desidratação em idosos ocorra muito rápido. O problema é que mesmo desidratados eles dificilmente sentem sede.
De acordo com a médica geriatra Ana Paula Nana Pereira Martingo Delbaje, a falta de água no organismo provoca queda da pressão arterial, interfere na função do rim e piora a aparência da pele, unhas e cabelo. “Mas a principal coisa, é que mexe na capacidade cognitiva também, causando confusão mental.”
A desidratação, diz Nana, mexe com o metabolismo do cérebro e pode causar sintoma semelhante à depressão. “A pessoa fica sonolenta demais, torporosa, como se estivesse dopada.” Nana afirma que é preciso ficar atento e insistir para os idosos ingerirem água. “Uma dica é deixar sempre por perto deles uma garrafinha de água”, reforça.
Outro sintoma que pode ocorrer pela falta de água é a aceleração dos batimentos cardíacos, mas Nana explica que é devido à pressão baixa. “Muitos falam sobre dor no peito, mas é mais raro, a menos que a pessoa já tenha algum problema cardíaco.”
A médica geriatra comenta que um dos motivos para o idoso não tomar muita água é pela consistência desse líquido, que fica mais difícil de engolir e acaba provocando engasgos. Por isso orienta os familiares a oferecerem ao idoso gelatina, frutas, chás e sucos em geral, pois também auxiliam na hidratação do organismo.
Que tal um sabor?
A nutricionista Tatiane Pinto, especializada também em nutrição esportiva, recomenda aos idosos o consumo de água saborizada. “Basta reservar um litro de água e adicionar ali uma rodela de abacaxi ou de laranja. Aí o idoso vai tomando ao longo do dia.”
Tatiane afirma que a ideia é colocar apenas um tipo de sabor. Outras opções são o uso de hortelã, gengibre, limão ou manjericão. “Lembrando que tudo isso sem colocar açúcar, é só pra dar um sabor mesmo”, diz a nutricionista. Segundo Tatiane, os idosos aceitam melhor dessa forma, pois com o passar dos anos perdem um pouco do paladar e assim fica mais interessante para eles. “Indico também alimentos como melancia, melão, saladas e caldo gelado.”
Tatiane comenta que a falta de água no organismo ainda pode causar problemas intestinais, entre eles diverticulite. “O intestino precisa de água para as fezes não ficarem grudadas na parede do órgão”, esclarece.
Existe um exame que verifica a hidratação do organismo. Chama-se bioimpedância. Ele mede através de uma leve corrente elétrica que passa pelo corpo a quantidade de água, gordura e massa magra. “Com esse exame é possível conferir o nível de hidratação, mas para alcançar bons resultados nada melhor do que andar com uma garrafinha junto, principalmente agora no calor, em que a facilidade de desidratar é muito maior”, diz Tatiane.

Frase do dia:
“Se você encontrar um caminho sem obstáculo, provavelmente ele não leva a lugar nenhum”
Arthur Clark