Home

Artigos
Giro Noturno
Contato
Edições Anteriores

 

Barragem da Usina Itaipava está novamente sem água

Rio Pardo é o termômetro da grave situação hídrica que está por vir
Na imagem exclusiva de ontem, o nível do Pardo cai e novamente a barragem da Itaipava fica totalmente seca

Da redação
O grande susto aconteceu em 2014, quando pela primeira vez na história o paredão da barragem da Usina Itaipava do rio Pardo cravado na divisa entre Cajuru e Santa Rosa de Viterbo ficou totalmente sem água. Foi a primeira e histórica crise hídrica que comprometeu até o abastecimento de Cajuru obrigando a Sabesp a buscar água em cidades da região.
Ano passado o paredão ficou novamente seco. E agora a cena se repete e a imagem de ontem da usina é esta que está estampada indicando que pelo jeito, infelizmente este ano viveremos dias difíceis no que se refere a recursos hídricos.
Há mais de 40 dias sem chuvas, em alguns pontos do rio Pardo já se consegue atravessar a pé com água, no máximo, até na cintura.
A Usina Itaipava, em condição normal de volume de água, trabalha com quatro turbinas e nas condições de hoje, apenas uma turbina está em funcionamento e caso não chova para possibilitar o aumento no volume de água, muito provavelmente esta única turbina em funcionamento será paralisada.
Estamos vivendo tempos estranhos, e ao invés de irmos até o rio Pardo para admirar as belas paisagens proporcionadas pelo grande volume de água, hoje resta ir até lá para conhecermos as pedras que compõem o fundo do rio. Sinais dos tempos, algo está errado.
Vale destacar que aquela região da barragem da Itaipava, se constitui em um dos pontos mais importantes do rio Pardo no que se refere à desova e aumento dos cardumes. É exatamente ali, naquela corredeira, poucos metros abaixo do paredão, que ocorre a desova dos grandes cardumes na Piracema.