Home
Artigos
Giro Noturno
Contato
Edições Anteriores
 

Santa Cruz esteve representada no 8º Fórum mundial da água

Da redação
Brasília sediou, de 19 a 23 de março, o oitavo Fórum Mundial da Água que aconteceu no Centro de Eventos Ulysses Guimarães e estádio Mané Garrincha com a Vila Cidadã, e nossa região esteve representada com a participação de Santa Cruz da Esperança que foi convidada a apresentar, juntamente com os mais de 150 países, o projeto “Moeda Verde”.
Um estande foi montado logo na entrada do evento onde, durante todos os dias, o prefeito Dimar de Brito e a secretária de saúde Geovana Biaggi, através de vídeos, explicavam e mostravam para os visitantes a importância do projeto que gera benefício para o comercio local, envolve a comunidade e desafoga o aterro sanitário ao dar destino correto aos materiais recicláveis.
Para o prefeito Dimar de Brito foi uma grande honra ter sido selecionado entre 60 projetos e, em decorrência disso, ser convidado a participar do Fórum que hoje é considerado um dos eventos mais importantes do mundo pelas boas práticas que geram benefícios à comunidade no que se refere aos cuidados com a água e o resíduos sólidos.
Outra questão importante da participação de Santa Cruz da Esperança em um evento deste porte, de acordo ainda com o prefeito Dimar de Brito, é a oportunidade de mostrar e apresentar vias boas e atrair o olhar de empresários a procura de cidades para canalizar investimentos.
Agora, graças também ao projeto “Moeda Verde”, Santa Cruz da Esperança é finalista do prêmio MuniCiência da Confederação Nacional dos Municípios que está disputando entre os 15 projetos mais classificados no concurso nacional de boas práticas municipais. A votação vai até o próximo dia 27 de abril e quem se interessar em votar em apoio a Santa Cruz da Esperança e ao trabalho que vem sendo desenvolvido na cidade, pode acessar o site: www.municiencia.cnm.org.br
O projeto de Santa Cruz, busca reduzir a quantidade de resíduos encaminhados para o aterro sanitário e ao mesmo tempo diminuir os criadouros do mosquito Aedes Aegypti nos domicílios e terrenos baldios, além de provocar impacto ambiental positivo e fortalecer a economia local.